02 setembro 2006

O Medo

Alguns na mata ao pé de casa.
Este texto foi a minha prima Sandy que me enviou na sexta-feira passada.
Devo de dizer que foi na altura certa.
Por diversas razões temos medo, há alturas que mais que outras, muitas das vezes nem nos apercebemos que estamos com medo.
Obrigada prima por teres adivinhado.
Beijinhos
O FUTURO DA HUMANIDADE

O futuro da humanidade é longínquo, falta muito tempo para ela crescer e evoluir. Há estradas e caminhos. Pode ser mais rápido ou mais lento e é aí que entra o vosso livre arbítrio: vocês podem escolher a velocidade da vossa evolução.
Cada um de vocês conta com o fervilhar do medo. O medo não cura, descura. O medo do mágico, do que não se entende, do que não conhecemos e dominamos. O medo é o que mais afasta o bem. O medo inventa, o medo contrabalança, o medo compensa, faz compensar através de outros caminhos, de outras escolhas. Qual a primeira coisa a fazer? Libertar-se.
E como é que uma pessoa se liberta dos medos?
Agindo, passando por eles. Porque no momento em que enfrento os medos, o que mais me apavora, sofro com isso, mas liberto-me para sempre. O Homem pode passar pelo medo ou fugir dele. Essa é a sua escolha e é nisso que nenhum de nós cá em cima pode interferir, nas vossas escolhas.
E estou a falar sobre o futuro. No dia em que o Homem se conseguir trabalhar ao ponto de ser capaz de identificar os seus medos, poderá trabalhá-los, passar por isso e libertar-se.
“Este Jesus Cristo Que Vos Fala” - Livro 2
Alexandra Solnado

4 comentários:

Luisa disse...

Achei o texto muito interessante mas há medos de que não conseguimos libertar-nos porque eles são atávicos. Qual o homem que não tem medo da natureza em fúria, do desconhecido, do mistério da noite? Há medos que conseguimos ultrapassar mas outros não

Paulo Nabais disse...

A Luísa tem alguma razão quando diz que "há medos de que não conseguimos libertar-nos". Estou de acordo, mas apesar de tudo conseguimos sempre passar por eles e enfrentá-los, sem nunca desaparecerem. São medos permanentes e o que é determinante é a nossa capacidade de lidar com isso.

Jinhos.

Mocho Falante disse...

Sem dúvida um belo texto.

Obrigado pela pela partilha

beijocas

igo... disse...

Um texto muito bom... eu tenho alguns medos estupidos... mas que me apavoram... Enfim...
Um grande beijinho, gmc