22 janeiro 2006

O que se passou afinal?

Esta semana foi um reencontro com o passado na minha vida, ao mexer nas minhas recordações deparei com uma que estava armazenada naquele parte do cérebro que só lá voltamos quando algo é desencadeado, e foi o que aconteceu.
Estava indecisa em colocar aqui algo sobre esse assunto delicado, mas depois de ler o post do Amaral, decidi-me a contar-vos.

Andava eu no 9º ano, na Escola Secundária Jaime Cortesão em Coimbra.
A minha professora de Francês tinha-nos dito na aula anterior, que quem ia dar a aula eram dois alunos.
A professora veio com uma cadeira sentar-se atrás de mim, encostada à parede do fundo, eu era a última da fila.
Os meus colegas começaram a aula e eu de repente oiço atrás e mim uns passos a andar para trás e para a frente.
Olho para trás e a professora estava sentada.
Volto a olhar para a frente e os passos continuam.
Olho para trás e a professora novamente sentada.
Volto a olhar para a frente e novamente os passos.
O que estranhava é que ninguém olhava para trás senão eu e os passos eram bem altos como se andasse de salto alto (pelos menos parecia).
Olhei para trás e a professora só me diz assim:
- Sónia não sou eu!
Nunca mais olhei... tão aterrorizada fiquei.
Nunca tive coragem de perguntar nada à professora e quando perguntei aos meus colegas ninguém ouviu.
Pensei que estava a ficar maluquinha e contei isto à minha melhor amiga, que na altura não era da minha turma. Ela ficou de boca aberta a olhar para mim e disse-me assim:
- Olha lá, isso não foi na sala “x”?
- Foi!
- AAHHH e eu a pensar que estava doida, eu também ouvi! Mas sabes, fui a única na turma!
Andei na altura a investigar e soube que a escola tinha sido um Convento de Freiras.
Esta não foi a única história que se lá passou comigo, todas do género..... só que eu não contava a ninguém... ainda me internavam...

8 comentários:

Eva Shanti disse...

Ai Amiga,

Há muita coisa que não se explica.

E que las hay las hay!

Ontem vi o filme Profecia das Sombras, na Sic, com o Richard Gere... Baseado em factos verídicos, nunca se conseguiu explicar.

Aqui ficam 2 sites sobre o filme:

http://www.cinemaemcena.com.br/crit_cinefilo_filme.asp?cod=267&codvozcinefalo=3663

http://rutenia.blogspot.com/2005/02/mothman-prophecies-ltima-profecia.html

Bjs

siri disse...

Xii, tanta histórinha boa que os nossos realizadores poderiam aproveitar!
..mas não, vão sempre p os velhos clichés.... enfim.

(^^,)**

O que eu quiser disse...

há muitas coiss do genero... mas nãp seria a tua prof com os pé, e parecia-te que alguem andava lá a caminhar?
por vezes coisas muito simples, ao nosso ouvido parecem outras coisas....

igo... disse...

Se tivesses falado comigo, na altura, estava hoje no Hospital Psiquiatrico de Lorvão ou então no Sobral Cid... podias ter a certeza... Um beijo, gmc

Luisa disse...

Uma estranha história!!!! Mas não seria a impressão duma adolescente sugestionada por qualquer romance ou filme? Porque afinal se era uma freira, as freiras não andam de saltos altos...
Desculpa, isto não é duvidar de ti mas às vezes há explicações simples para fenómenos que nos parecem extraordinários.

Amaral disse...

Aquilo que deves fazer é "não ter medo" do que aconteceu, nem deves temer qualquer conversa sobre o assunto. Limita-te a encarar o facto naturalmente, sem que isso te perturbe. Fugires a isso ou evitares falar no caso, receosa e confusa, somente te trará mais insegurança e mais receio. Aceita. Nada te pode atingir, ou causar qualquer mal! Este é o meu conselho! A confiança em Ti dá-te, a pouco e pouco, a certeza de que estás acima de qualquer "coisa" que não entendes.
Dantes, eu sobressaltava-me se ouvia algum ruido estranho para o qual não via razão. Agora, não ligo. E se algo acontece que persiste, sem que compreenda a razão, levanto-me e "vou ver" o que se passa, sem receio nenhum! Remédio santo: o mundo físico tem as suas leis próprias; o mundo espiritual terá também as suas leis...

Terreiro disse...

É engraçado só agora contares essa passagem na tua vida.
È interessante, como pequenos acontecimentos, que na altura parecem de outro mundo fazerem parte da nossa vida durante tanto e tanto tempo… ainda bem que não tiras-te isso a limpo na altura, seria quem sabe hoje, uma história sem importância.

Abraços

Anónimo disse...

Bem, amiga, fiquei toda arrepiada quando li o teu post.
Ainda dizem que não há coisas ...
Jinhos
Carla