07 dezembro 2005

Sinto-me triste...

Foto: Sónia Nabais

O meu tesourinho mais pequenino, que adora dormir (onde ele se encosta lá adormece) hoje está triste e eu apetece-me desabafar.
Quem me conhece sabe que eu faço tudo pelos meus filhos, defendo-os quando é necessário como uma gata assanhada, mas também os critico quando eles se portam mal.
Ora o meu pequenino ontem quando veio da escola diz assim:
- Olha mãe a professora é muito injusta.
- Porquê filho?
- Porque quando os rapazes fazem mal os trabalhos dás-lhes uma bofetada e às meninas uma palmada na mão.
Como devem de imaginar, eu fiquei de todas as cores possíveis antes, de muito calmamente, lhe voltar a perguntar:
- Então filho, de certeza que não é bater é só encostar a mão ou dar uma sapatadinha.
- Não é nada, hoje levei uma bofetada.
Obriguei-o a dizer-me tintim por tintim tudo, telefonei a uma mãe que me disse que não tinha conhecimento disso, mas que soube que no ano passado ela deu uma bofetada valente a um miúdo, depois de ele ter pedido desculpa à miúda que passou uma rasteira.
Hoje de manhã fui falar com a professora, apanhei-a sozinha na aula e disse-lhe aquilo que o meu filho me tinha contado, ela negou tudo, disse que realmente dava sapatadas nas mãos e que só dava beliscões nas caras dos miúdos a brincar......queria que eu, em frente à turma toda, perguntasse se era verdade que ela dava palmadas.
Claro que eu disse-lhe que não, isso não se faz, o problema era entre eu e ela, cá para nós é lógico que os miúdos iam dizer que não. Chamou o meu filho em particular e ele desata a chorar e não fala nada. Eu disse ao meu menino que a professora ia falar com ele em particular e que ele lhe dissesse tudo aquilo que achasse mal, que a professora não era nenhum Bicho Papão (disse isto em frente à prof.) e que não lhe ia fazer mal.
Agora tenho o meu coração pequenino à espera da hora do almoço para o ir buscar.
O meu filho lindo que tanto amo.
Eu tenho que falar com mais pais, pois eu tenho que ter a certeza que o meu filho não está a exagerar.
Alias, na inocência dele o mal era a professora descriminar entre as raparigas e rapazes e não as bofetadas...
Desculpem o desabafo, mas estou mesmo em baixo...





6 comentários:

Formiguinha disse...

Pois, convinha teres a certeza antes de fazer qualquer coisa... :S

Eva Shanti disse...

Realmente! Eu acho que o teu filho está a dizer a verdade. E a professora como «pessoa crescida» já devia saber que não é pela força que se ensina e não é com violência que se educa.

Amiga, espero que tudo corra bem e se precisares de ajuda ou só desabafar, eu estou aqui!

Bjs

siri disse...

Mau, isso é realmente muito estranho. Estranho e péssimo se assim for verdade.
Para qq dúvida ficar dissipada, há mm q contactar outros pais.

Ahraht disse...

A elaboração da mentira seria demasiado. Não acredito que nda se tenha passado ou que o seu filho esteja a "inventar". Quanto a mim nem a exagerar estará. O certo é que deve contactar com outros pais... e com o conselho directivo. Será difícil, depois disto, quer pelo que escreve quer pelo que já apurou, acreditar ou pelos não desconfiar que algo se passa de errado
Parece que estou a alimentar a questão, mas para mim "os beliscões de brincadeira" seriam inademissíveis e intoleráveis, quanto mais a mera suspeita de uma estalada na cara.

Desejo-lhe boa sorte, principalmente ao pequenote.

Azenhas disse...

Tina eu 6 anos e disse ao meu irmão mais velho que "não é à porrada que se idoca".

Amiga, diz-me como está esta história...

Anónimo disse...

Sou professora e percebo perfeitamente aquilo que estás a passar eo que o teu filho também está a passar. Tenho a certeza de que ele é uma criança, justa responsável e sensível... Se um dia destes quiseres poderemos trocar umas ideias juntas por email. Se quiseres escreve para reci.cria@hotmail.com. Sou toda ouvidos....

Bj Sandra